Marchena recusou transferência para o Benfica e foi ameaçado: Descontentamento com o processo revelado

  1. Carlos Marchena recusou transferência para o Benfica devido à forma como o processo foi conduzido
  2. O jogador espanhol afirmou que não queria sair do Sevilha e que foi ameaçado por um intermediário para aceitar a transferência

Carlos Marchena, antigo central do Benfica, revelou em entrevista que não gostou da forma como foi conduzido o processo de transferência para o clube encarnado na época de 2000/01. O jogador espanhol afirmou que não queria sair do Sevilha, mas que lhe disseram que o clube precisava de vender jogadores devido a problemas financeiros. Marchena admitiu ter recebido várias ofertas de outros clubes, incluindo o Milan, mas o Benfica colocou o dinheiro em cima da mesa primeiro e garantiu a sua transferência.

No entanto, Marchena sentiu-se enganado e desiludido com a forma como a transferência foi anunciada. Segundo o jogador, assim que chegou do Europeu sub-21, foi levado diretamente para o clube, onde estavam três pessoas à sua espera. Foi então informado de que estava vendido ao Benfica e que teria de partir para Lisboa na manhã seguinte. Marchena, no entanto, recusou-se a aceitar a transferência e afirmou que disse 'não' várias vezes. Nessa altura, chegou mesmo a ser ameaçado por um intermediário, que o alertou para as consequências negativas que poderia enfrentar se não fosse para o Benfica.

Apesar de todas as suas reservas, Marchena acabou por aceitar a transferência e jogou pelo Benfica durante uma temporada antes de ser transferido para o Valência. Mais tarde, o antigo central regressou ao Sevilha como consultor e coordenador da formação do clube.

No entanto, quando voltou a encontrar-se com Monchi, um dos responsáveis pela sua transferência para o Benfica, Marchena sentiu que tinha sido enganado e expressou o seu descontentamento. Embora reconheça que a relação teve de continuar pelo bem do Sevilha, Marchena deixou claro que a forma como a sua transferência foi conduzida afetou a forma como se sentia em relação ao clube.

Esta revelação de Carlos Marchena mostra que nem todas as transferências de jogadores são feitas de forma transparente e ética. No caso específico do Benfica, fica evidente que o jogador foi vítima de pressão e ameaças para aceitar a transferência. Esta história serve como um exemplo das dificuldades enfrentadas pelos jogadores quando se trata de decisões de transferência e mostra a importância de proteger os jogadores de tais situações.

Auditoria da EY conclui que Benfica não foi lesado em transferências, mas sugere melhorias

  1. Auditoria da EY não encontra situações em que o Benfica tenha sido diretamente lesado
  2. Benfica SAD teve saldo positivo de 97 milhões de euros nas transferências analisadas
  3. Relatório aponta oportunidades de melhoria, como comissões a agentes acima das diretrizes da FIFA
  4. Dificuldade em identificar estrutura acionista e beneficiários finais de algumas entidades que negociaram com o Benfica

Ucrânia leva história da guerra ao Europeu

  1. A Ucrânia divulgou um vídeo emotivo com 13 jogadores a falar sobre a «destruição» e «ocupação temporária» das suas cidades-natal
  2. 17 de junho, estreia da Ucrânia no Europeu contra a Roménia
  3. Anatoly Trubin, do Benfica, é um dos jogadores que fala no vídeo
  4. A Ucrânia conseguiu qualificar-se para o Europeu, apesar da guerra no país

Auditoria da EY diz que Benfica teve saldo positivo de 97 milhões de euros em transações de jogadores

  1. Ernst & Young concluiu que o Benfica teve um saldo positivo de 97 milhões de euros com as transações de 51 jogadores, entre 2007/08 a 2022/23
  2. A auditoria sublinha que a sociedade não foi lesada pelos representantes dos jogadores
  3. O valor de 97 milhões de euros representa apenas 29% das 176 operações verificadas no período
  4. A EY analisou em detalhe os dossiês de Claudio Correa, Derlis González e César Martins, e mais 48 jogadores e 76 agentes